quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Um teólogo escreve ao Papa: Há um caos na Igreja, e o senhor é uma causa


1º de novembro de 2017– Thomas G. Weinandy é um dos teólogos mais conhecidos. Vive em Washington, no Seminário dos Capuchinhos, a ordem franciscana à qual pertence. É membro da Comissão Teológica Internacional, a comissão que Paulo VI colocou ao lado da Congregação para a Doutrina da Fé para que pudesse se valer dos melhores teólogos de todo o mundo. É membro desta comissão desde 2014, o que significa que foi nomeado pelo Papa Francisco.

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Motus in fine velocior?


Um renomado amigo está aterrorizado por aquilo que vê na Igreja, e teme que… 

Caros amigos, inimigos e leitores, esta manhã pensei que estaria de folga. Depois me chegou uma mensagem de um amigo renomado que, devo confessá-lo, me abalou sinceramente. Pelo seu teor e porque sei que este amigo é alguém que já viu muita coisa! Resumindo, não é alguém que se impressione com qualquer coisa. Mas, enfim…, leiam isso:

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Aquilo que fez e que quer fazer o “Papa Jesus II”, o Demolidor

Por Antonio Socci, 24 de setembro de 2017 
Nenhum papa até agora tinha ousado atribuir-se o nome de São Francisco de Assis, o “outro Cristo”. Bergoglio o fez. Mas ele – no livro entrevista que acaba de ser publicado, com Dominique Wolton, “Politique et societé – como uma “excusatio non petita” (porque ninguém lhe havia pedido) diz em tom de brincadeira que não foi um ato de soberba, mas, ao contrário, de humildade, porque teria podido chamar-se “Jesus II”. Obviamente, sublinha que está brincando (também Arlecchino se confessou estava brincando…) [ndt.: em italiano, Socci faz referência ao Arlequim, personagem teatral que usava máscaras para dizer, em forma de piada, as verdades que não podiam ser ditas doutro modo. Em português soa como “toda brincadeira tem um fundo de verdade”].

domingo, 24 de setembro de 2017

Publicada correção filial ao Papa Francisco

Correctio filialis de haeresibus propagagatis

62 academicos católicos fazem "correção filial" ao Papa Francisco

Com uma iniciativa que já não acontecia na Igreja há 700 anos, 62 católicos notáveis, entre clero e leigos, tornaram público um documento no qual alertam para as heresias que têm sido apoiadas durante o pontificado do Papa Francisco e pedem, filialmente, ao Santo Padre que ensine e afirme sem equívocos a doutrina católica. Este é o texto que apresenta o documento:

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Cardeal Müller acusa o Papa Francisco de não basear sua autoridade magisterial numa teologia “competente”.

Incomoda ao cardeal que o papa pense que “a religião e a política são uma coisa só”. O Cardeal denuncia que o Papa se preocupa mais por “questões de diplomacia e poder do que pelas questões da fé”. A fé cristã deveria estar no centro e o Papa deveria ser simplesmente um “servo da salvação”

sábado, 16 de setembro de 2017

O caso Seifert: quem está se separando da Igreja?

Roberto de Mattei

 A notícia foi divulgada por Maike Hickson. Em 31 de agosto, Dom Javier Martínez Fernández, Arcebispo de Granada, após ter suspendido do magistério o filósofo austríaco Josef Seifert, demitiu-o da Academia Internacional de Filosofia, da qual é um dos fundadores, mas que hoje depende da Arquidiocese. Deve-se lembrar que o Prof. Josef Seifert é considerado um dos maiores filósofos católicos contemporâneos. Seu currículo e sua bibliografia ocupam numerosas páginas. Mas, acima de tudo, ele é conhecido por sua fidelidade ao Magistério pontifício, o que lhe valeu a nomeação como membro da Pontifícia Academia para a Vida. Qualquer universidade católica ficaria honrada em tê-lo entre seus professores. Qual é o motivo da medida drástica contra ele? De acordo com uma declaração da Arquidiocese, o motivo de sua recente demissão é um artigo no qual o Prof. Seifert fez uma súplica a propósito da Exortação pós-sinodal Amoris laetitia do Papa Francisco.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

O significado de cada parte da Ave-Maria


Cada parte da oração da Ave-Maria tem um significado baseado nas Sagradas Escrituras e na Tradição

A Ave-Maria é uma das orações mais queridas do povo católico. É a mais antiga oração que conhecemos dirigida a Nossa Senhora, nossa Mãe, Mãe de Jesus e da Igreja. Ela está na própria Bíblia, revelação de Deus.